Páginas

Assista nossos Programas

sexta-feira, 22 de maio de 2020

Pacientes hospitalizados no HCor recebem visitas virtuais de familiares


Nesta sexta-feira (22), Dia do Abraço, carinho virtual ajuda a diminuir a distância e minimizar a saudade de casa


Programa de televisitas permite que pacientes em isolamento mantenham contato com pessoas próximas

Pacientes hospitalizados no HCor, na zona sul da capital paulista, passaram a contar com um novo tipo de estratégia para “receber” visitas e aplacar a saudade, durante o período de internação e, por consequência do diagnóstico positivo de Covid-19, o isolamento físico. O programa de televisitas da instituição conecta familiares, amigos e até animais de estimação, diminuindo a distância entre quem está internado e o ambiente familiar.

A iniciativa foi implantada em todos os setores de internação do hospital, de forma permanente, incluindo a Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Com dia e horários marcados, os pacientes podem conversar e até receber abraços virtuais por meio de videoconferências.

Segundo Silvia Cury Ismael, gerente do serviço de Psicologia do HCor, a ação tem grande importância tanto emocionalmente, quanto no quadro clínico do paciente. “É importante ver que sua família está ali, ainda muito perto, e sentir carinho. Além disso, a televisita permite conversas com pessoas queridas, situação que pode impactar de maneira positiva o tratamento do paciente, pois o motiva a lutar pela vida”, explica.

A equipe de psicologia do hospital também oferece suporte e acompanhamento remoto para os familiares de pacientes internados, que precisam lidar com a ansiedade e as emoções ligadas ao distanciamento social, além do próprio diagnóstico do parente próximo. “A psicologia do hospital monitora os familiares, ligando ou mesmo recebendo ligações diárias deles. Quando percebemos que um familiar não está bem, ele é acompanhado de perto”, destaca.

Segundo a especialista, as televisitas surgiram como uma motivação para pacientes, familiares e, inclusive, a equipe multidisciplinar, que atua na linha de frente na assistência. “A ferramenta é muito útil para a retomada do contato, permitindo que a família acompanhe o tratamento do paciente, mesmo sem estar presente fisicamente. Já a equipe consegue sentir as mudanças no humor e oferecer mais conforto a quem está recebendo os cuidados no hospital”, explica.


Sobre o HCor

A instituição iniciou as atividades em 1976, tendo como mantenedora a Associação Beneficente Síria, que completou 100 anos de atividades filantrópicas em 2018. o HCor ganhou projeção mundial no cenário da saúde, tornando-se referência em cardiologia, além de oferecer atendimento de excelência nas áreas de neurologia, oncologia, ortopedia e medicina diagnóstica. Conta com acreditação internacional da Joint Commission Internation (JCI) desde 2006. O Instituto de Pesquisa HCor coordena estudos clínicos multicêntricos nacionais e internacionais. Certificado pela American Heart Association (AHA), o Centro de Ensino capacita e atualiza milhares de profissionais anualmente. Há 10 anos, o HCor é parceiro do Ministério da Saúde no Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (PROADI-SUS), colaborando com políticas públicas e iniciativas de aprimoramento para mais de 150 centros médicos de todo país.

domingo, 17 de maio de 2020

HIDROXICLOROQUINA E AZITROMICINA É USADO EM HOSPITAL NO PIAUÍ COM SUCESSO


Protocolo adotado em hospital do Piauí traz melhora clínica a pacientes com Covid-19



Tratamento oferecido no Hospital Regional Tibério Nunes é resultado copia modelo adotado em uma unidade de saúde da Espanha
Um hospital localizado no município piauiense de Floriano, cidade a cerca de 250 quilômetros da capital Teresina, tem chamado a atenção de autoridades de saúde. Isso porque um protocolo de tratamento utilizado em pacientes com a Covid-19 tem se mostrado eficaz no combate à doença.

Dois dias após o aparecimento dos sintomas do novo coronavírus, pacientes do Hospital Regional Tibério Nunes estão recebendo a combinação de hidroxicloroquina e azitromicina durante cinco dias. Caso essas medicações não deem resultados, o paciente recebe remédios à base de corticoide, substância que costuma aparecer em anti-inflamatórios, durante três dias.

Segundo Justino Moreira, diretor clínico da unidade, até mesmo pacientes com um alto grau de dano ao pulmão tiveram melhoras com esse tratamento.

“Quando começamos a usar o corticoide, no dia 2 de maio, os pacientes evoluíram rapidamente. Tiramos o oxigênio deles, demos alta. Teve paciente com 50% e paciente com 75% do pulmão comprometido. Paciente na boca da UTI, e conseguimos frear esse processo. Hoje o paciente está tendo alta.”

O tratamento oferecido no hospital de Floriano chamou a atenção do governo federal. Nesta semana, Damares Alves, ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, foi ao município para conhecer o trabalho da equipe.

No entanto, o uso da hidroxicloroquina, associado ou não com a azitromicina, em pacientes infectados com o novo coronavírus é polêmico. Um estudo feito com cerca de 1,4 mil pacientes de Nova York, divulgado neste mês, apontou que a prescrição desses medicamentos não reduz a letalidade da Covid-19.

O diretor da unidade de ressalta que quando o paciente infectado chega à terceira fase da doença, em que ele deve ser submetido a um respirador, não há muito o que se fazer para reverter o seu quadro clínico.

“Antes a gente não tinha ferramenta para tratar. As pessoas estavam morrendo, só esperando ir para UTI. E não tinha mais jeito. Os que foram para UTI aqui, morreram. Temos que conter a doença antes de chegar lá, na primeira e segunda fase. Na fase três, a gente tem pouca esperança, a mortalidade é muito alta.”

O tratamento oferecido no Hospital Regional Tibério Nunes é fruto de um protocolo clínico da médica piauiense Marina Bucar Barjud, que trabalha no combate à Covid-19 no Hospital HM Puerta del Sur, em Madrid, na Espanha.

O uso conjunto da hidroxicloroquina e azitromicina e de corticoides, na unidade de saúde em Floriano, foi feito apenas em 20 pessoas. Segundo o diretor do hospital, 15 desses pacientes que receberam o tratamento tiveram alta.

Questionada, a Secretaria de Saúde do Piauí não respondeu se iria ampliar o protocolo para outros hospitais do estado.


quarta-feira, 29 de abril de 2020

Alimentação saudável e o poder dos alimentos na prevenção de doenças.


Dr. Paulo Amazonas fala da importância de uma alimentação saudável e o poder dos alimentos na prevenção de doenças.

Com base na medicina preventiva, médico dá dicas de alimentação saudável para crianças, adultos e pessoas do grupo de risco da Covid-19.


Em tempos de Covid-19 onde é necessário reforçar o sistema imunológico e o médico Paulo Amazonas, nome forte no cenário nacional dentre os jovens médicos atuantes em São Paulo na medicina preventiva, reuniu algumas informações sobre a relação de uma alimentação saudável e o poder dos alimentos na prevenção de doenças.

Dr. Paulo amazonas listou uma série de alimentos e práticas importantes no reforço da imunidade para adultos e crianças dando ênfase ainda aos grupos de risco.

Para crianças o médico ressalta a importância do aleitamento materno exclusivo nos primeiros 6 meses de vida e sua continuidade até os 2 anos de idade ou mais, complementando uma dieta rica em frutas, legumes e outras fibras alimentares. A ingestão dessas fibras e nutrientes se fazem necessárias por toda infância e deve se evitar alimento rico em açucares e ultra processados. Aveia, abacate e frutas vermelhas são boas opções para se ter no cardápio infantil.

Para adultos a recomendação alimentar segue no mesmo ritmo, é importante a ingestão de fibras prebióticas como por exemplo a aveia, que além de alimentar as bactérias saudáveis do intestino, equilibra os níveis de açúcar no sangue e ainda aumenta a saciedade. A biomassa de banana verde, rica em inulina, uma fibra que promove o reparo e integridade intestinal e com isso redução de processos inflamatórios, pode ser usada para substituir o trigo. Além disso consumir 1 colher de sopa de chia ao dia, além de regular o apetite, melhora os fatores de risco relacionados à obesidade e tem potencial anticancerígeno.

Dr. Paulo ressalta ainda os cuidados necessários para o grupo de risco: Além de garantir um estado nutricional adequado através uma alimentação baseada em alimentos naturais e sem ultra processamento, o corpo também aumenta sua vida útil com um sono reparador. É importante ter uma rotina que permita dormir 7 a 8 horas de sono por noite, sem interrupções. A prática do exercício físico que promove além do bem- estar mental, o fortalecimento das estruturas essenciais para um corpo saudável.





Dr. Paulo Amazonas, médico é formado pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM) residente e com consultórios em São Paulo e Manaus, tem em seu currículo curso de obesidade em Harvard e é pós graduando em nutrologia no Hospital Israelita Albert Eistein. Atua na medicina preventiva através da nutrologia, medicina ortomolecular e longevidade com foco na alimentação equilibrada e modulação intestinal. É um entusiasta e fonte recorrente quando o assunto é a utilização de alimentos na prevenção de doenças da modulação intestinal.

É também idealizador e embaixador da "Síndrome Fúngica: Um mal silencioso. Campanha nacional da conscientização da Síndrome Fúngica".

O médico tem promovido uma série de conversas com especialistas, jornalistas e estudiosos acerca da nutrição, saúde, gastronomia e alimentação. Nesta sexta-feira (1/5) realizará live no instagram tendo como convidada a jornalista, critíca gastronômica e jurada do Top Chefe Brasil, Ailin Aleixo, na qual irão discutir a importância da alimentação e o poder dos alimentos na prevenção de doenças.

terça-feira, 28 de abril de 2020

COVID-19: saiba como cuidar da saúde cardiovascular

Dr. Gilberto Narchi

Cirurgião explica que envelhecimento de artérias e veias é um risco a mais em tempos de pandemia do novo coronavírus

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, pessoas acima dos 60 anos ou com problemas cardíacos foram identificadas como algumas pertencentes ao grupo mais afetado pela COVID-19. Entretanto, o envelhecimento já pode representar um risco para as veias e artérias, deixando-as mais rígidas. O cirurgião vascular Dr. Gilberto Narchi Rabahie explica como a diferença de idade pode acontecer e dá dicas para prevenir.

“A diferença básica é a capacidade elástica ou complacência do vaso”, afirma. O vaso mais novo possui maior resistência. Já o mais velho, se torna mais rígido, e quanto mais enrijecido for, maior o será o trabalho do coração para “vencer” a pressão, causando desgaste precoce, do coração e, diretamente, dos vasos.

Segundo o especialista, a falta de controle de diabetes e a hipertensão arterial podem apresentar o enrijecimento precoce das artérias. “Sedentarismo, tabagismo e a ausência de manutenção de peso adequado também contribuem para a diferença de idade”, acrescenta Dr. Gilberto.

Para medir a capacidade da parede arterial, o VOP (Velocidade da Onda de Pulso) é um método que apresenta, de forma não invasiva, a rigidez da parede arterial. “Com o exame, podemos fazer um diagnóstico precoce e com o tratamento adequado, retardarmos a rigidez dos vasos, igualando, por assim dizer, as idades para evitarmos suas complicações”, afirma o cirurgião vascular.

“Não se prevenir e não tratar a rigidez pode ocasionar, precocemente, doenças cardiovasculares como infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral. Além disso, em tempos de COVID -19, manter a saúde cardiovascular em dia representa um risco menor de complicações da doença causada pelo novo coronavírus”, explica o especialista.

Segundo a SBC (Sociedade Brasileira de Cardiologia), para pessoas com doenças cardíacas, por exemplo, a taxa de mortalidade da COVID-19 pode ser três vezes maior em relação à média. Outro fator a ser considerado é o desenvolvimento da SRAG - síndrome respiratória aguda grave. Em pessoas com problemas cardíacos, o desenvolvimento da complicação, após contaminação do novo coronavírus, é mais alto.


Dicas práticas

Para manter a saúde cardiovascular em dia, o Dr. Gilberto recomenda prevenir doenças como diabete e hipertensão, que podem ocasionar o envelhecimento precoce das artérias e colocar o indivíduo o grupo de risco da COVID-19. Praticar atividades físicas e manter os exames de rotina atualizados são maneiras de evitar complicações relacionadas ao coração.

Além disso, manter-se em distanciamento social, lavar bem as mãos e não as colocar no rosto fazem parte das medidas básicas de prevenção contra o novo coronavírus. Para as pessoas que não trabalham em áreas da saúde ou de risco, o uso de máscaras caseiras de tecido, caso precise sair de casa, é uma barreira a mais para evitar o contágio.

Vale ressaltar que sintomas como febre alta, tosse e falta de ar são alguns dos principais da COVID-19. Além disso, perda de olfato, paladar e cansaço constante também podem ser indícios da doença causada pelo novo coronavírus e precisam ser acompanhados por atendimento médico.

Sobre Dr. Gilberto Narchi Rabahie

Formado em Medicina pela Faculdade de Medicina do ABC, Dr. Gilberto Narchi possui Pós Graduação em Pesquisa pela Universidade da Califórnia, em San Francisco – UCSF, além de ser especialista em Cirurgia Vascular pela Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular e Endovascular. Também é membro da Sociedade Americana de Cirurgia Vascular e da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular e Endovascular. Atualmente, é cirurgião vascular do Hospital do Coração em São Paulo.

segunda-feira, 27 de abril de 2020

Médicos também podem ficar doentes


SBOC alerta sobre os cuidados necessários para garantir saúde mental e física de oncologistas durante a pandemia


Os profissionais da saúde são peça fundamental no enfrentamento da pandemia de Covid-19, mas, infelizmente, também estão entre os mais vulneráveis. Médicos vêm sendo atingidos física e mentalmente, pois correm maior risco de infecção, visto que estão em contato com pessoas contaminadas. Isso os faz ficar longe de suas famílias e lidar com o peso da vulnerabilidade do outro, muitas vezes deixando a própria em evidência.

O momento atual exigiu mudanças repentinas e ainda é novidade para todos, inclusive para médicos, enfermeiros e auxiliares, que precisam atuar na linha de frente. No Brasil, o grupo do Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas e do Programa de Pós-Graduação em Psiquiatria da Universidade Federal do Rio Grande do Sul afirma que durante uma pandemia os níveis de ansiedade e estresse das pessoas aumentam devido ao medo, fazendo com que o número de pessoas com saúde mental afetada seja ainda maior que o número de pessoas infectadas pelo novo vírus.

A Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC) alerta que para cuidar de pacientes e da família, antes de tudo, é preciso cuidar de si mesmo. Aprender a separar assuntos familiares dos profissionais, tirar um tempo para descansar e fazer coisas que te agradem, como ler livros, cuidar do seu animal de estimação e praticar atividades físicas, podem ser de grande ajuda durante esse período.

"Vejo colegas de trabalho mais ansiosos, outros deprimidos, principalmente pela preocupação com seus pacientes, se seguirão o tratamento e se estão bem. É preciso que os gestores de hospitais e clínicas estejam também atentos à saúde mental de seus profissionais, criem um espaço seguro de diálogo, onde eles possam compartilhar as principais dificuldades dessa nova rotina e encontrar juntos as soluções", defende a Dra. Veridiana Camargo, membro da SBOC.

O que pode fazer a diferença é a sintonia com a equipe de trabalho. "Mesmo à distância, mantenha contato com outros colegas e líderes para que possam compartilhar experiências e definir as melhores diretrizes de cuidados para os pacientes, mas também para a equipe. Ter uma rede de apoio no trabalho e em casa facilita o enfrentamento dessa crise, e certamente nos tornará mais fortes daqui para frente", completa Dra. Veridiana.

De acordo com a Dra. Angélica Nogueira, diretora da SBOC, os técnicos também estão sobrecarregados por terem plena ciência da gravidade do que estamos enfrentando. "Estamos a par dos fatos, conhecemos os dados e evidências científicas e, mesmo cientes da verdade e com bastante medo, continuamos e continuaremos cumprindo nosso ofício".

Os profissionais da saúde temem que os números de contaminados sejam ainda maiores no Brasil, pois há poucos testes sendo realizados. "Estima-se que a incidência seja consideravelmente superior aos números reportados. Além da carência de testagem, há pessoas que são assintomáticas ou apresentam sintomas leves e, por isso, não estão sendo contabilizadas", aponta Dra. Angélica.

Outra preocupação que aflige especialmente os oncologistas é que as consultas rotineiras estão suspensas. "É necessário definir o que será feito daqui para frente, qual será a nova prática, pois, para muitos cânceres, atrasos diagnósticos têm impacto significativo no desfecho", dispara.

Diante de tantas adversidades, a SBOC presta sua homenagem aos médicos, enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem e parabeniza todos que estão combatendo essa pandemia, seja na linha de frente ou possibilitando a continuidade de outros tratamentos. Além disso, a Sociedade também agradece as mais diversas iniciativas (individuais ou empresariais) de apoio aos profissionais da saúde, seja com reconhecimento e apoio emocional, doações ou oferecendo soluções em segurança do trabalho.


SOBRE A SBOC - SOCIEDADE BRASILEIRA DE ONCOLOGIA CLÍNICA

A Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC) é a entidade nacional que representa mais de 1,9 mil especialistas em oncologia clínica distribuídos pelos 26 Estados brasileiros e o Distrito Federal. Fundada em 1981, a SBOC tem como objetivo fortalecer a prática médica da Oncologia Clínica no Brasil, de modo a contribuir afirmativamente para a saúde da população brasileira. É presidida pela médica oncologista Clarissa Mathias, eleita para a gestão do biênio 2019/2021.


Microempreendedor Individual chega à marca história de 10 milhões de empreendedores


O Microempreendedor Individual (MEI), figura jurídica criada há pouco mais de 10 anos e considerada a maior política pública de formalização da economia existente no mundo, alcançou uma nova marca histórica: a empresária baiana, Géssica Cristina, do município de Chorrochó, tornou-se o MEI de número 10 milhões. O Mercadinho Estrela, negócio criado por Géssica, se une a um universo de outros empreendimentos que têm contribuído com o aquecimento da economia, redução do desemprego, aumento da arrecadação e combate à informalidade.

O MEI nasceu para incentivar a formalização de pequenos negócios e de trabalhadores autônomos como vendedores, doceiros, manicures, cabeleireiros, eletricistas, entre outros, a um baixo custo. Podem aderir ao programa os negócios que faturam até R$ 81 mil por ano (ou R$ 6,7 mil por mês) e têm no máximo um funcionário.Com a criação dessa figura jurídica, profissionais que trabalhavam de forma autônoma e informal puderam regularizar sua situação, passaram a ter um novo status no mercado e direitos que, em muitos casos, até então estavam fora de sua realidade.

O presidente do Sebrae, Carlos Melles, destaca que o MEI deu a milhões de autônomos do país o direito a uma cidadania empresarial. “Com o MEI, esses milhões de brasileiros puderam se tornar empreendedores. Desse modo, o microempreendedor individual tornou-se a maior porta de entrada para a atividade empreendedora no Brasil”, comenta Melles, que foi relator, como deputado federal, do Projeto de Lei que criou o MEI.

Quais as vantagens de ser MEI

O registro de MEI permite ao microempreendedor ter CNPJ, a emissão de notas fiscais, o aluguel de máquinas de cartão e o acesso a empréstimos (com juros mais baratos). Além disso, ele também poderá vender seus produtos, ou serviços, para o governo, além de ter acesso ao apoio técnico do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

No Portal do Empreendedor, há quase 500 atividades listadas que podem ser exercidas por microempreendedores individuais. Entre elas, carreiras mais tradicionais, como cabeleireiros e açougueiros, algumas mais recentes, como "bikeboys", e outras exóticas, como comerciante de artigos eróticos, de perucas e humorista e contador de histórias.

Ao se cadastrar como MEI, o empresário é enquadrado no Simples Nacional – com tributação simplificada e menor do que as médias e grandes companhias – e fica isento dos tributos federais (Imposto de Renda, PIS, Cofins, IPI e CSLL).

Atualmente, o custo mensal do registro é de R$ 49,90, que pode ser acrescido de R$ 1 se o ramo exercido for comércio ou indústria (ICMS), ou de R$ 5, em ISS, se for do ramo de serviços - totalizando R$ 54,90. Se o negócio envolver essas três atividades (comércio, indústria e serviços), o valor mensal é de R$ 55,90.

O MEI e a Crise do Coronavírus

De acordo com pesquisa realizada pelo Sebrae entre os dias 3 e 7 de abril, quase 90% dos Microempreendedores Individuais declararam ter sofrido uma redução no seu faturamento. 78% deles atuam entre as atividades que tiveram seu funcionamento suspenso por determinação de decretos estaduais ou municipais. Mais de 60% dos entrevistados gostariam de receber auxílio temporário para poder sustentar suas famílias e 51% declararam que precisariam de empréstimos para manter o negócio operando. Ainda de acordo com o levantamento do Sebrae, 24% dos MEI já haviam tentado obter um empréstimo no sistema financeiro, mas 72% deles não conseguiram ter o crédito aprovado.

Nas últimas semanas, o governo federal anunciou um conjunto de medidas para apoiar esses empreendedores que estão sofrendo com a perda de consumidores ocasionada pela crise do Coronavírus.Segundo dados do Sebrae, o Auxílio Emergencial de R$ 600, implementado pelo governo, deve atender a cerca de 3,6 milhões de MEI que estão contemplados no critério de renda (até 3 salários mínimos).

Outras Medidas que contemplam o MEI durante a crise
Adiamento DAS
Adiamento DASN
Aval para o crédito por meio do Fampe
Acesso ao crédito pelo Pronampe
Liberação do FGTS

Soluções do Sebrae para o MEI enfrentar a crise
Sebrae Acelera Digital
Aplicativo Sebrae, com dicas exclusivas para o MEI
Mercado Azul
Sebrae Respostas
Parceiro Magalu
Fampe
Conteúdos e orientações no portal
Cursos EAD gratuitos específico para o MEI enfrentar a crise

Confira alguns dos benefícios do MEI
Legalização das atividades desempenhadas
Contribuição de valor menor para a Previdência
Aposentadoria
Auxílio-doença
Auxílio-maternidade
Realização de empréstimos com taxa de juros reduzida
Facilidade na abertura de contas e obtenção de crédito
Emissão de notas fiscais
Possibilidade de contratação por outras empresas
Pagamento simplificado de tributos
Redução do número de impostos, com isenção dos federais

sábado, 25 de abril de 2020

Programa Emergencial de Manutenção do Emprego


O número de empregos preservados pelo Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEm), criado para enfrentar os efeitos econômicos da pandemia da Covid-19, já pode ser acompanhado online. Os dados estão presentes no site servicos.mte.gov.br/bem. Lá também o empregador e o empregado podem tirar dúvidas sobre a Medida Provisória 936, que possibilita às empresas a oportunidade de reduzir a jornada de trabalho, bem como o salário, ou suspender o contrato do mesmo temporariamente.

O governo será responsável por pagar parte desta perda salarial e, em contrapartida, garantir a estabilidade do trabalhador.

O BEm é custeado com recursos da União e pago aos trabalhadores independentemente do cumprimento de período aquisitivo, do tempo de vínculo empregatício ou do número de salários recebidos. O investimento do programa pode chegar a mais de R$ 51 bilhões.

A MP que institui o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda autoriza a redução da jornada de trabalho em percentuais de 25, 50 e 70% por até 90 dias, ou ainda a suspensão do contrato por acordo individual ou coletivo pelo prazo de até 60 dias. Os acordos precisam ser celebrados junto ao sindicato da categoria e comunicados ao Ministério da Economia.

Segundo Bruno Bianco, Secretário Especial da Previdência e do Trabalho, o cálculo do benefício emergencial é feito em cima do seguro desemprego, mas isso não altera os direitos do trabalhador.

“O benefício é pago como se paga o Seguro Desemprego, mas não é um benefício de Seguro Desemprego. A pessoa que recebe esse benefício, diante de um acordo celebrado com seu empregador, não precisará devolver esse valor. Esse valor não será descontado numa eventual demissão. Portanto, numa eventual demissão, o trabalhador receberá 100% do seu Seguro Desemprego, quando a ele fizer jus”, ressaltou o secretário.

A diferença do salário será paga pelo governo baseado no que ele teria direito em termos de seguro desemprego. Em um caso hipotético, se o corte da jornada de trabalho for de 50%, há a redução de 50% do salário. Assim, metade do salário será paga pelo empregador e, além disso, ele terá direito a 50% daquilo que seria destinado a ele como uma parcela do seguro desemprego.

As empresas que celebrarem tais acordos deverão manter os empregados pelo dobro de tempo em que os contratos estiveram suspensos ou com redução de carga horária, como uma medida de estabilidade no emprego. Além disso, os empregadores precisam manter todos os benefícios, como explica Richard Domingos, diretor executivo da Consultoria Contábil Confirp.

“A suspensão temporária do contrato de trabalho não elimina a necessidade de o empregador pagar os benefícios que vinha pagando, ou seja, assistência médica, cesta básica, vale alimentação. Aquele empregador que suspender temporariamente os contratos de seus empregados tem de continuar pagando os benefícios dele”, destacou.

A projeção do Ministério da Economia é de que o programa irá preservar até 8,5 milhões de empregos, beneficiando cerca de 24,5 milhões trabalhadores com carteira assinada. O principal objetivo da medida é reduzir os impactos sociais relacionados ao estado de calamidade pública e de emergência de saúde pública.