Páginas

Assista nossos Programas

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Por que as mulheres sofrem mais com fibromialgia?

12 de maio é o Dia Mundial de Combate à Fibromialgia. Doença afeta nove mulheres para cada homem

A interação entre médico e paciente é fundamental para um diagnóstico correto da fibromialgia, pois não há raio-x ou exame de sangue que acuse a doença. A constatação é feita exclusivamente por meio da consulta médica. A causa da fibromialgia ainda não é totalmente conhecida. O aspecto central é uma sensibilidade dolorosa amplificada e associada ao aumento do estresse. Embora, os especialistas saibam que a síndrome se desenvolve predominantemente nas mulheres, ainda não há uma explicação precisa para isso. “Acredita-se em influência genética, hormonal e cultural”, explica o reumatologista José Eduardo Martinez, professor da Pontifícia Universidade Católica de Sorocaba e membro da Comissão de Fibromialgia, Dor e outros Reumatismos de Partes Moles da Sociedade Brasileira de Reumatologia.

Algumas pessoas acreditam que por sentir dor em várias partes do corpo, já têm a doença. Porém, a fibromialgia não é a única causa de dores músculo-esqueléticas. “Por isso, cabe ao paciente explicar com detalhes como é a dor que sente, além de informar outros sintomas que a acompanham. Essas informações associadas a um bom exame físico marcam o diferencial do diagnóstico”, afirma o especialista.

Dados recentes demonstram que a patologia é diagnosticada em pelo menos 5% dos pacientes que vão a um consultório de clínica médica devido a algum tipo de dor e em 10% a 15% dos pacientes que procuram um consultório de reumatologia.

Vale também prestar atenção em outros sintomas que acompanham essas dores, como a fadiga exagerada, distúrbios do sono, dores de cabeça, alterações intestinais, entre outros. “Com essas informações, o médico terá mais subsídios para um diagnóstico correto, sempre relacionando esses dados ao histórico do paciente e aos achados do exame físico”, conta o professor Martinez.

Diferentemente das demais doenças reumáticas, a fibromialgia não atinge predominantemente as articulações. Mas a dor, de moderada a intensa, toma conta do corpo todo. “Estima-se que cerca de 4% da população mundial sofra com a doença e que existam 4,8 milhões de fibromiálgicos no Brasil, mas apenas 2,5% deles recebem tratamento adequado”, explica José Eduardo.

A sensibilidade ao toque é o que mais incomoda os pacientes fibromiálgicos, pois muitas vezes um simples carinho pode desencadear uma dor insuportável. Porém, se tratado adequadamente, o paciente pode levar uma vida com boa qualidade. “Mas para que isso ocorra o paciente deve mudar a sua postura diante do estresse, praticar exercícios e seguir as orientações médicas buscando uma melhor qualidade de vida”, alerta o reumatologista.

Sabe-se que os exercícios físicos auxiliam muito na recuperação de pacientes, pois atuam nos mecanismos da dor, combatem o estresse, depressão e ansiedade, além de melhorar o condicionamento físico. É muito importante que a pessoa com fibromialgia entenda que assim como o tratamento medicamentoso, que atualmente pode ser feito com Lyrica (pregabalina), antidepressivos e analgésicos, a atividade física regular deve ser mantida continuamente para uma melhora gradativa.

“Os exercícios físicos reduzem a sensação de dor e diminuem os distúrbios do sono, já que várias substâncias são liberadas durante a prática, como endorfinas (analgésicas) e somatostatina (promove o trofismo muscular). As atividades aeróbicas, porém, devem ser de baixo impacto, como caminhadas, natação e hidroginástica”, finaliza José Eduardo.
______________________________________________________________________
Pfizer
Considerada uma das empresas mais diversificadas do setor farmacêutico, a Pfizer descobre, desenvolve, fabrica e comercializa medicamentos de prescrição e de consumo para Saúde Humana e Animal. A companhia oferece opções terapêuticas para uma variedade de doenças em todas as etapas da vida, com um portfólio que engloba desde vitaminas para gestantes e vacinas para bebês, até medicamentos para doenças complexas, como dor, câncer, tabagismo, infecções e doença de Alzheimer. Entre seus produtos, destacam-se Lípitor, Enbrel, Viagra, Sutent, Lyrica, Champix, Eranz, Centrum, Pristiq, Zyvox, Advil e a vacina Prevenar. Fundada em 1849 e instalada no Brasil desde 1952, a Pfizer é a indústria que mais investe em pesquisa e desenvolvimento de novos medicamentos, a partir de parcerias com profissionais de saúde, hospitais, governos e comunidades em todo o mundo. A companhia também mantém e acompanha projetos sociais voltados para educação e saúde no país.